Ana Almeida, University Teacher in Portuguese, blogs about the Brazilian writer Clarice Lispector.

Aprender Português é: 280 milhões de falantes em todo o mundo,  Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro, Mundial de Futebol de 2014, oportunidades de emprego e de negócios, etc. Mas, espantem-se, o artigo do suplemento “Intelligent Life”, da revista The Economist, que louva a força da língua portuguesa, não nos fala da economia florescente do Brasil e nem sequer se pronuncia sobre o potencial turístico da beleza de Lisboa ou das praias brasileiras.

Benjamin Moser, o autor de “Why you should know the name Clarice Lispector”, diz-nos que, mais do que tudo o que ganhou ao aprender esta nova língua, o que mais o marcou na sua experiência de vida “em Português” foi a leitura de um romance desta autora brasileira, no qual a protagonista é uma mulher que, no auge de uma crise mística, engole uma barata moribunda:

Benjamin Moser mostra-se supreendido pelo seguinte paradoxo: como é que uma escritora da importância de Clarice Lispector permanece desconhecida  para as massas de leitores que não sabem Português sendo, ao mesmo tempo, a leitura de culto de autores como Elizabeth Bishop,  Colm Tóibín  ou Orhan Pamuk? Como é tão conhecida e desconhecida ao mesmo tempo? Para quem lê em Português, Clarice Lispector é a riqueza de uma elite à qual também pertencemos, um verdadeiro luxo do pensamento.O valor da aprendizagem de uma língua conta-se, mas não apenas, em moedas. Não sou eu que digo, é o The Economist

This blog entry is one of several written by the language staff of the University of Liverpool to celebrate Multilingual Blogging Day. Read the other blog entries in Spanish, Catalan, Basque, German, French, Italian and Portuguese here.

Advertisements